Comercial | Design de jardim

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Projeto de Arquitetura
Josemar Costa e André Azevedo
Localização
Boa Viagem | Recife/PE
Ano
2017
Fotografias
Luciana Ourique

Memorial descritivo

O projeto contemporâneo pedia soluções com texturas variadas de folhagens em diversos tons de verde. As áreas ajardinadas contemplam os canteiros externos frontais (sob laje), interno e um pequeno espaço – jardim de inverno. O jardim vertical da WallGreen reveste parte da parede de tijolo, com jiboias e filodendro-brasil, no espaço que emoldura a parede em frente ao pano de vidro. Singônios e lírios-da-paz compõem o jardim interno debaixo da escada.



Parques e Praças | Praça Alice dos Anjos

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Área do Projeto
300m2
Localização
Praia de Catuama | Goiana/PE
Ano
2018
Visualizações
Edmilson Souza

Memorial descritivo

Em um espaço residual, ao lado do cemitério, a Associação dos Moradores e Veranistas de Catuama e Barra de Catuama (AMEV) reconheceu o potencial para a construção da primeira praça com parquinho infantil na Praia de Catuama. A Casa Forte quis fazer parte da ideia, uma vez que, apesar da área bem reduzida, o ambiente, transformado, é uma referência importante na paisagem e na vida das pessoas da comunidade. Um projeto em que as pessoas são o foco foi pensado. Foram colocados bancos para as pessoas sentarem e árvores para proporcionar sombra. A praça planejada privilegia diversos usos, como lazer para crianças, o encontro das pessoas e a realização de feirinha de artesanato. No local, existia um tamarineiro plantado por um morador do entorno, que foi incorporado ao projeto, já que o nosso objetivo é (sempre) preservar as árvores. Como é um equipamento público, a manutenção foi um item balizador do projeto. A vegetação prevista foi de árvores compatíveis com extensão disponível, que, depois de consolidadas, não exigirão cuidados diários. O piso em concreto intertravado foi aplicado no centro da praça. Nas demais áreas, areia e barro, tornando o espaço permeável. Painéis vazados, com cores e anteparo para os generosos bancos, separam a praça do cemitério e, ao mesmo tempo, ao invés de barrar, incorporam ao projeto a paisagem existente. Parte do muro foi deixado para que um artista local (ou artistas) pudesse se expressar, deixando claro que o espaço pertence à comunidade. A alegria de ver as crianças e os adultos usufruindo do espaço antes ocupado pelo lixo esteve presente em todo o processo de elaboração do projeto.



Residencial | Design de jardim

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Localização
Parnamirim | Recife/PE
Ano
2016
Fotografias
Luciana Ourique

Memorial descritivo

Apartamento pequeno, sem varanda, muita cor e pouco espaço, tudo sob medida. A proprietária sentia falta do jardim da casa que morou quando criança, sentia falta do verde, falta de planta, falta de vida. Ela queria um “jardim” para cuidar. Para inserir o verde e fazer com que ele se integrasse ao layout do apartamento, optou-se por um jardim vertical pequeno e por plantas em vasos. Como o jardim vertical está sobre um carrinho bar com “visual de aço em seu estado natural”, a estrutura do jardim foi deixada à mostra, criando um visual contemporâneo. No jardim vertical, a vegetação escolhida foi o Philodendron hederaceum, que, com suas nuances de cores, que vão do verde ao amarelo, mantém uma ligação com a mesa e a parede verde na qual está instalado. Para os vasos, as espécies escolhidas foram Ficus lyrata, Calathea makoyana, Dracaena godseffiana e Alocácia black veltet. Todas apropriadas para interiores e colocadas a menos de 3 metros da fonte de luz. Os vasos são leves para facilitar o transporte e, consequentemente, a manutenção. O resultado foi um apartamento pequeno, sem varanda, mas com “jardim” cheio de detalhes e cantinhos para ser cuidado.



Residencial | Requalificação Paisagística do Condomínio MpGp

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Localização
Casa Forte | Recife/PE
Ano
2015

Memorial descritivo

O tratamento paisagístico de algumas áreas e a inclusão de uma pista de caminhada visaram potencializar as características existentes, com a preservação das espécies vegetais, o traçado e o piso de pedra rachão – este último já existia no imóvel antes da construção dos edifícios. Por ser um Imóvel de Preservação de Área Verde (IPAV), foi necessário fazer o levantamento e a catalogação de todas as árvores e notificar a correta localização de cada uma. Como os coqueiros estão no jardim há muito tempo, e se observou a necessidade de substituí-los, foram acrescidas no projeto palmeiras entre os espaços dos coqueiros, para que, à medida que venham a perecer, a palmeira próxima integre a paisagem. Para alimentar os pássaros, sobretudo vários sabiás, mamoeiros foram introduzidos no projeto. O potencial advindo da área verde do Condomínio certamente proporcionará um lazer seguro aos moradores, incluindo caminhadas ou mesmo passeio de pessoas idosas e/ou bebês em carrinhos. Na pista de caminhada, foi especificado o piso permeável da PISOLEVE.



Concurso | Slant Competition 2013 (Irlanda/UK)

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Arq. Urbanista Cristiana Paes
Arq. Urbanista Josué Mendonça
Localização
Bairro do Recife. Recife/PE
Ano
2013
Prêmio
Menção honrosa
https://bit.ly/2JtbRSB


Memorial descritivo

Antes de a Casa Forte Arquitetura Paisagística surgir como empresa, no ano de 2013, nossas sócias, Auxiliadora Sá e Patricia Paegle, uniram-se aos arquitetos e amigos Cristiana Paes e Josué Mendonça para participarem de um concurso internacional de ideias organizado pela Slant Organization, uma instituição sem fins lucrativos irlandesa, que sempre promoveu competições entre paisagistas do mundo inteiro, com o objetivo de valorizar o “novo design paisagístico” no mundo. Naquele ano, o tema foi “Evocando Memórias”. A temática tratada englobava o resgate da memória de uma pessoa, elemento cultural ou ambiente de vida. A premiação se dividiu em cinco categorias:
- Jardim Privado Doméstico;
- Jardim Comercial com Acesso Privado;
- Jardim Comercial com Acesso Público;
- Jardim Público com Acesso Público;
- Jardim Público com Acesso Privado.
Dentro da categoria escolhida pelo grupo, Jardim Público com Acesso Público, o tema trabalhado foi: “Caju: símbolo da exuberância tropical”. O centro do trabalho foi o cajueiro, árvore nativa do Brasil, árvore símbolo da cidade do Recife e sempre presente na vida social, cultural e econômica de algumas comunidades do Nordeste desde os tempos coloniais. Também fazia parte do objetivo chamar a atenção para o fato de o cajueiro se encontrar em situação de risco, devido à expansão da ação humana desordenada, que tem dizimado muitas árvores, e de como vai ser ruim para o nosso povo e para o meio ambiente se, no futuro, só pudermos ver cajueiros em fazendas ou museus. Com o nosso desenho, tentamos mostrar valores simples que estão sendo perdidos e tentamos de uma forma não piegas e literal mostrar a árvore como ela é. Fomos agraciados com um prêmio: “Slant High Commedition” – menção honrosa, e obtivemos o 3º lugar na votação do público. Sentimo-nos felizes pelo resultado e por termos tido a oportunidade de mostrar uma árvore nossa para pessoas do mundo inteiro, além de ficarmos orgulhosos com o comentário do júri formado por arquitetos paisagistas experientes: “Este “suculento design” foi um forte concorrente na mais popular e competitiva categoria. Bem concebido, o desenho foi fiel não somente ao tema “Evocando Memórias”, mas também quanto às exigências do regulamento da competição. O uso da cor, textura e forma neste jardim aguça os sentidos e é possível facilmente se imaginar sentado à sombra destas árvores (abundantes) e imerso nas suas delícias visuais e aromáticas”.



Concurso | Regeneration of Kirkby Town Center

Autoras
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Arq. Paisagista Anna Siecsak
Localização
Kirkby. Reino Unido
Ano
2012
https://bit.ly/2JxBNN0
https://bit.ly/2LC11dS

Memorial descritivo

Em 2012, após terminar o mestrado, a nossa sócia Patrícia Paegle e a amiga Anna Siecsak participaram de uma competição de ideias para a revitalização do Centro da Cidade de Kirkby-in-Ashfield, cidade que fica ao leste do vale Ercwash, que separa Nottinghamshire e Derbshire, na Inglaterra. A competição fazia parte de um programa de revitalização do centro da cidade, com o objetivo de tornar Kirkby mais atraente e acessível para os visitantes, além de aumentar a viabilidade econômica da cidade. A proposta procurou criar um espaço acessível e convidativo as pessoas, que oferecesse oportunidades para elas interagirem entre si e com o comércio local. Tudo baseado em princípios de um desenho sustentável como, por exemplo, a escolha de materiais locais e a utilização da drenagem da água como elemento de desenho. "As árvores existentes foram mantidas e outras introduzidas, já que acreditávamos que árvores são um elementos que devem estar (quase) sempre presentes em um desenho sustentável. Foi muito prazeroso participar desse projeto, tivemos dias de muito trabalho e alegria", relata Patrícia. Anna Siecsak hoje é arquiteta paisagista em Londres e ensina Arquitetura Paisagística em uma cidade próxima a Londres.



Ação | Árvores e Memórias

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Localização
Recife/PE
Ano
2015
Roteiro e Produção
NoAR Comunicação

Memorial descritivo

O projeto Árvores e Memórias resgata situações, sentimentos e emoções ligadas, na maioria das vezes, à lembranças da infância. Nos projetos paisagísticos desenvolvidos pela Casa Forte Arquitetura Paisagística, sempre que possível, são introduzidas árvores frutíferas, pois entendemos estar contribuindo efetivamente com o estímulo dos cinco sentidos, na arte de projetar a Arquitetura Paisagística. As árvores no ambiente urbano, além das funções ecológicas, criam relações com o espaço e com as pessoas. Traz associações de imagens referentes a conversas debaixo das sombras, da sensação do perfume da flor ou do fruto característico, da própria arquitetura da árvore, do farfalhar das suas folhas ao sabor do vento, e tantas outras potencialidades. O projeto Árvores e Memórias reforça a necessidade de cultivar espécies arbóreas também como valorização econômica das áreas verdes, e, principalmente, do resgate da natureza. Interação homem x meio ambiente natural, na qualificação da paisagem urbana, pelos valores simbólicos que representam. Neste projeto contamos com a parceria da NoAR Comunicação, e a participação de várias pessoas que se dispuseram a contar uma história sobre a árvore simbólica da sua vida.



Ação | Troca

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Localização
Recife/PE
Ano
2018

Memorial descritivo

Compartilhar é importante para a construção de uma sociedade. Acreditamos que a troca de informações é fundamental para a nossa existência. Difundir conhecimento é tão importante quanto receber. Trocar ideias, trocar sentimentos, trocar alegrias e até mesmo tristezas. Trocar tudo o que puder ser trocado, para melhorar nossas vidas e trabalhos. A partir dessa ideia, surgiu o Projeto Troca. Serão promovidos cursos, oficinas, palestras, debates e outras ferramentas que possibilitem o intercâmbio. O espaço do escritório, que é nosso laboratório, terá as portas abertas para essa troca, bem como ela poderá acontecer em qualquer outro lugar. Decidimos começar esse projeto com uma oficina: “Como cuidar das suas plantas”. Para nós, ter plantas por perto e cuidar delas representa uma troca de energia constante. Cuidar das nossas plantas, cuidar das plantas das nossas casas é um passo básico e importante na melhoria do meio ambiente da casa, bem como do meio ambiente da cidade.



Ação | Postais

Autoras
Arq. Paisagista Auxiliadora Sá
Arq. Paisagista Patrícia Paegle
Localização
Recife/PE
Ano
2017

Memorial descritivo

Paisagens têm o poder de inspirar e alegrar a vida, afinal a vida acontece mergulhada nelas. Construir paisagens faz parte da nossa história. A partir desse pensamento e de uma coleção de postais, surgiu a ideia de compartilhar paisagens. A coleção pertencia à nossa sócia Patrícia, que a fez em sua primeira viagem à Europa. Em um momento de desapego, resolveu que era hora de dar um destino à coleção. O lixo não era uma opção, afinal ela fez parte de um momento especial, vivido dentro das paisagens refletidas nos postais. A opção encontrada foi permitir que os postais cumprissem o propósito para o qual foram criados. Assim, surgiu a Ação Postais. A ideia foi enviar, pelos Correios, e compartilhar paisagens inspiradoras que fizeram parte de uma história feliz, compartilhar alegria e beleza. Assim, a Casa Forte enviou os postais para pessoas que acreditávamos que, assim como nós, desejam construir paisagens que permitam aos seres humanos viverem bem, felizes e integrados entre si e com o meio ambiente nos espaços que ocupam. Pessoas que acreditem que a arte e a beleza fazem parte da vida e sejam para todos. Pessoas que se alegrem com uma demonstração de carinho. Enfim, enviamos os postais, eles cumpriram a sua missão, e nós acreditamos que a construção de uma sociedade melhor depende do compartilhamento, da troca.